Mensagem do Diretor

Nas últimas décadas a ameaça da espionagem com finalidades económicas tornou-se mais complexa e mais danosa para a atividade das empresas e das organizações que contribuem para o bom desempenho da economia, fator fundamental para o bem-estar e segurança dos portugueses.

Promover a cultura de segurança nas organizações nacionais é também uma atividade de prevenção contra a espionagem económica. É, por isso, uma missão à qual o SIS tem vindo a dar o seu contributo de serviço público, desde 2006, altura em que criou o Programa de Segurança Económica (PSE), especialmente vocacionado para a sensibilização dos cidadãos, das empresas e organizações dos sectores público e privado.

Ao fim de mais de dez anos de experiência com o PSE, avaliámos a necessidade de focar o nosso esforço na sensibilização para a proteção do conhecimento e da informação sensíveis das empresas e das organizações públicas e privadas nacionais.

O nosso programa passa assim a designar-se “Programa de Proteção do Conhecimento”, em resposta a uma necessidade crescente de colmatar as lacunas existentes na segurança dos ativos que são realmente estratégicos para o sucesso das empresas e das organizações nacionais e que importa proteger, a bem da atividade económica em ambiente aberto e concorrencial.

Reitero o meu desejo de que o Programa continue a contribuir para a segurança económica e convido a uma visita ao novo site.

O diretor do SIS

Adélio Neiva da Cruz

Programa de Proteção
do Conhecimento

Uma iniciativa do Serviço
de Informações de Segurança (SIS)

O Programa de Proteção do Conhecimento (PPC) visa sensibilizar os cidadãos e as organizações em Portugal para a ameaça de espionagem económica, em defesa dos interesses económicos portugueses.

Foi criado para responder à necessidade de proteger a informação crítica e sensível do Estado português e o conhecimento produzido nas empresas e nos centros universitários e de investigação científica, em Portugal.

Destina-se aos cidadãos e às organizações, dos sectores público e privado, que operam no tecido económico português.

As apresentações do Programa são realizadas em todo o território nacional por uma equipa especializada que se desloca às organizações com o objetivo de alertar todo o corpo de colaboradores, desde o topo até à base, para as ameaças e riscos da espionagem económica.

Pretende-se que o esforço em I&D e a informação sensível das organizações em Portugal revertam para a economia e o PIB nacional.

No decorrer das ações de sensibilização, o Serviço de Informações de Segurança:

• Caracteriza o modus operandi de agentes hostis a atuar em Portugal;
• Partilha casos concretos de espionagem em Portugal;
• Dá conselhos práticos para implementar regras e procedimentos de segurança.


Peça uma ação de sensibilização

Objetivos

Contribuir para a segurança
da informação, do conhecimento
e da tecnologia sensíveis
Garantir que a investigação
desenvolvida em Portugal
não é acedida indevidamente.
Defender os interesses
económicos portugueses
face a ameaças estrangeiras.
Prevenir o acesso indevido
a informação sensível
das organizações.

Os Números do Programa

A atuação do Programa de Proteção do Conhecimento tem por objectivo reforçar a segurança das organizações nos setores estratégicos da economia nacional.

De 2014 a 2018 foram realizadas em território nacional 198 ações de sensibilização do Programa de Proteção do Conhecimento e da Informação Sensivel que abrangeram 875 organizações e 3409 indivíduos.

Evolução Ações Programa

Programa 2014
Programa 2015
Programa 2016
Programa 2017
Programa 2018

Organizações Sensibilizadas
(2014 a 2018)

Universidades / C&I 15.8 Administração Pública 8.5 Engenharia / Tecnologia 20.2 Grande Consumo 1.6 Segurança e Defesa 32.0 Farmacêutica 0.4 Setores tradicionais 4.8 Transportes 13.0 Área Financeira 1.8